quarta-feira, 4 de abril de 2012

Mar de calma.


Veiu e foi,
Tão calmo, e tão tranquilo.
Veiu e foi,
Enquanto observava o ir.

A brisa que soprava na direção do mar.
Te levou, e me deixou à desejar um beijo.
O calor do final da tarde,
e o pequeno sol ao longe deitar.
Você veiu como essa mesma brisa,
Devagar, e logo se alojou.
Acariciou minha alma, e despertou.
O que eu nunca senti.
O som da tua voz, é o som das ondas.
Que acalmam meu coração.
Contigo me sinto em paz,
Posso rir, e me mostrar por inteira.
Falar asneiras, ser verdadeira.
Até chorar, mais para que chorar?
Se tu é um dos motivos pelo qual sorrio.
Es o primeiro que penso ao amanhecer,
Es o último ao anoitecer.
Es o meu mar de calma.

(Thamires Bezerra).